Diariamente milhares de veículos circulam nas ruas e avenidas de Aracaju e região Metropolitana, sendo que no sistema de transporte público coletivo estão operando 570 ônibus, enquanto que de forma clandestina estão: 683 lotação, cerca de mil mototaxistas e ainda um volume crescente de ubers não regulamentados pela cidade (no Brasil são mais de 600 mil circulando). Nos últimos quatro anos, a perda no número de passageiros do coletivo na capital sergipana foi de mais de 24%, ou seja mais pessoas fazendo uso do transporte individual, mais veículos pelas vias dificultando a mobilidade urbana e colaborando com os congestionamentos. 

O clandestino, que diferente do ônibus não é legalizado, tributado e não presta contas em fiscalizações, traz riscos à população no aspecto insegurança para mobilidade urbana: como não é um transporte regulamentado não dispõe de medidas seguras nos veículos, nem na forma de conduta dos seus respectivos motoristas. Por não fazer parte do planejamento urbano, gerido pelo poder público para o desenvolvimento da cidade, o clandestino atua apenas em localidade de interesse de lucro particular, diferente dos ônibus coletivos que atendem todas as localidades da capital e da região metropolitana, sendo orientados pelo órgão gestor até para regiões de uma demanda reduzida de passageiros, como as rurais. 

Além de toda a disputa injusta que o clandestino sugere nas vias, também não atende aqueles que possuem o benefício de gratuidade adquirido por lei, diferentemente do transporte público coletivo que tanto assiste essas pessoas, como também oferece um cartão de direito de acesso gerando cidadania. 

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *